NEM TUDO O QUE PARECE É

Category: Missione Oggi
Hits: 2413 times

A revolução francesa escolheu três palavras para expressar seus ideais, colocando a ciência e a filosofia como marcadores fundamentais da verdade. Os referenciais religiosos como indicadores do progresso cultural, da perfeição e do rosto da verdadeira dignidade humana foram dispensados. Liberdade, igualdade e fraternidade são valores maravilhosos que brotaram do cristianismo, mas escolhidos no abstrato; são ideias, sonhos que, para serem alcançados, necessitam de algumas regras, de diretrizes que facilitem a convivência sem que ninguém se faça nem se sinta maior do que o outro.

O choque provocado pelo assalto e assassinato dos artistas e comunicadores do semanário francês Charlie Hebdo comoveu profundamente o povo francês e essa emoção se disseminou pelo muno. O fato foi elevado a símbolo de ataque a toda a nação. A comunicação aproveitou a oportunidade para focalizar a liberdade de imprensa e de opinião. Liberdade como todos os valores necessitam de regras não estabelecidas pelos que dela querem usufruir para alcançar seus objetivos, mas pela conjugação de direitos e deveres de quem produz e de quem consome. A charge tem direito de exigir liberdade, mas, por mais bem feita que seja, ela esconde sempre um objetivo: exaltar a um e rebaixar a outro. E a arte, fruto da habilidade do artista, pode tornar o conteúdo mais sofisticado e interessante para o público.

Este evento de caráter violento dá-nos a oportunidade para pensar na complexidade da convivência democrática que, por mais perfeita que seja, beneficia com privilégios de vária ordem os governantes, os herdeiros de capital e os que, com pretexto de democracia e de liberdade, conseguiram concentrar grandes patrimônios e através deles controlar todos os meios de comunicação que, dia a dia, se vão globalizando.

Liberdade sem igualdade de oportunidades permanece uma palavra vazia. Liberdade de expressão para quem montou um trono e se colocou ao serviço de uma classe social sem dar espaço para que os que se sentem atingidos pelas piadas e “charges”, por mais comunicadoras que sejam, não deixam espaço para responder no mesmo nível. Quando as identidades de grupos e de nações são ridicularizadas, os intolerantes podem levantar a fúria até ao extremo e ensanguentar as ruas e os lugares mais edificantes que existam. Se a liberdade for garantida pelo policiamento, ela se esvazia de sua verdadeira função de estar ao serviço da vida. Liberdade desligada da igualdade e da fraternidade pode virar uma idolatria pura, onde a consciência individual se endeusa como rainha do universo. Ninguém é dono da liberdade nem da verdade. Elas necessitam viver de mãos dadas para crescer. A minha liberdade não pode ferir a liberdade do outro. Me parece que a escolha do atentado a um jornal desse tipo  foi propositadamente simbólica

Todas as escolas da França decidiram fazer um minuto de silêncio em atitude de solidariedade pelas vítimas do atentado no dia 8 de janeiro. Depois do silêncio, em muitas escolas, os professores abriram espaço para perguntas e partilha de sentimentos. Veio uma surpresa que os professores nem tinham imaginado; a  maioria dos alunos, adolescentes e jovens, acham que a liberdade de comunicação necessita ser regulamentada porque muita gente abusa desse benefício para proveito pessoal e de grupo.

Os jovens levantaram uma questão fundamental sobre a qual é necessário refletir em nossos dias. A liberdade não pode permitir que se faça uso de um meio para ridicularizar uma identidade cultural nem uma pertença existencial.

O ocidente construiu a sua cultura fortemente alicerçada sobre um liberalismo moderno que desenhou também um rosto de oportunismo. A ideia de democracia se tornou paradigma universal no ocidente a tal ponto que parece ser justo transplantá-la da forma como se formalizou para qualquer país. Parecia ser um milagre transplantar a democracia para o Iraque sem nada ter resolvido do que pretendia segundo os discursos político s da época.  A liberdade significa que é necessário deixar espaço para que o “outro”  também possa escolher. Liberdade não pode colocar-se a cima de tudo e de todos. Desde a segunda guerra mundial, quando os vencedores decidiram fragmentar o médio oriente para melhor poder explorar suas riquezas, o mundo árabe na sua grande maioria, desenvolveu a ideia de que o mundo ocidental é seu inimigo. O alcorão para nós ocidentais é a fonte do radicalismo intolerante, para eles é a arma de defesa que lhes resta para não se sentirem dominados. O sonho da primavera árabe não obteve aquela sucesso que parecia ser fácil alcançar.

A sociedade moderna necessita aprender a construir pontes entre povos e culturas diferentes, sem querer impor seu projeto, colocando as barreiras que lhe convém para que o “outro” não transite livremente para o seu lado ou usufrua das mesmas condições de liberdade. 

 

 

 


Gli ultimi articoli

La perla preziosa del Beato Giuseppe Allamano

20-02-2024 Triennio Allamano

La perla preziosa del Beato Giuseppe Allamano

A colloquio con il postulatore della causa di canonizzazione Il Beato Giuseppe Allamano, nato a Castelnuovo d’Asti (oggi Castelnuovo Don Bosco)...

Read more

Padre Marco Marini: Missione in Etiopa, un desiderio dell'Allamano

18-02-2024 I Nostri Missionari Dicono

Padre Marco Marini: Missione in Etiopa, un desiderio dell'Allamano

L’Istituto Missioni Consolata è nato dal desiderio del Beato Giuseppe Allamano di aprire missioni in Etiopia, dove voleva inviare i...

Read more

Il Papa: le guerre sono una sconfitta e inutili. Le popolazioni sono sfinite

18-02-2024 Notizie

Il Papa: le guerre sono una sconfitta e inutili. Le popolazioni sono sfinite

Dopo l'Angelus, Francesco lancia i suoi appelli alla fine della violenza in Sudan, dove chiede di fermare un conflitto che...

Read more

Missionari "ad gentes" nella santità della vita

16-02-2024 Triennio Allamano

Missionari "ad gentes" nella santità della vita

Si avvicina la festa del nostro Beato Giuseppe Allamano. Viene istintivo a tutti noi guardare alla sua figura come modello...

Read more

Repubblica Democratica del Congo: i Pigmei e i «verdi fratelli silenziosi»

16-02-2024 Missione Oggi

Repubblica Democratica del Congo: i Pigmei e i «verdi fratelli silenziosi»

Missione, e cura del Creato, nel cuore del foresta congolese «Qui davanti alla missione c’è la piccola piantagione di caffè che...

Read more

Pasqua prima della Quaresima… è possibile?

16-02-2024 I Nostri Missionari Dicono

Pasqua prima della Quaresima… è possibile?

Gli indios Warao in pellegrinaggio attraverso le terre di Boa Vista, Roraima (come rifugiati, apolidi o migranti) si svegliano con...

Read more

Messa segna la Giornata dei consacrati brasiliani a Roma

15-02-2024 Missione Oggi

Messa segna la Giornata dei consacrati brasiliani a Roma

Un paio di sandali, una lampada, la Bibbia e un'immagine della Madonna di Aparecida, la patrona del Brasile. Questi erano...

Read more

Sudan: la guerra dimenticata che ha fatto dieci milioni di sfollati e profughi

15-02-2024 Notizie

Sudan: la guerra dimenticata che ha fatto dieci milioni di sfollati e profughi

Nel Paese africano sono almeno 12 mila le vittime di un conflitto che, dopo quasi 10 mesi, sta radicalizzandosi tra...

Read more

I Domenica di Quaresima / B: “Io stabilisco la mia alleanza con voi”

14-02-2024 Domenica Missionaria

I Domenica di Quaresima / B: “Io stabilisco la mia alleanza con voi”

Gen 9,8-15;  Sal 24;  1Pt 3,18-22;  Mc 1,12-15.  Il tema dell'alleanza permea le tre letture di questa prima domenica di Quaresima. Con il...

Read more

onlus

onlus

logo new 7

 

Contatto

  • Viale Mura Aurelie, 11-13, Roma, Italia
  • +39 06 393 821