Jul 02, 2020 Last Updated 10:37 PM, Jun 29, 2020

O VALOR DA PESSOA (23 MARÇO – TERCEIRO DOMINGO QUARESMA)

Categoria: I Nostri Dicono
Visite: 499 volte

Palavra

João 4:9

Meditação

Mais uma vez, Jesus faz-nos ver que para ele o mais importante, o mais sagrado è a pessoa e não as normas ou os elementos culturais. Para ele, aquela mulher samaritana é acima de tudo um ser humano, não um membro de um povo “inimigo”. Mas sabemos que este e outros tipos de discriminação estão ainda muito presentes no nosso mundo, talvez mais do que nunca. Afinal, vivemos no chamado “mundo globalizado”, onde a informação corre veloz e há um conhecimento mais completo e profundo dos países e continentes. Estamos na era da internet, a qual fez do nosso mundo uma “aldeia global”. Porém, e também por causa de tudo isto, que inclui a mobilização de pessoas de um continente para outro, pessoas com tradições e culturas diferentes, existem demasiadas formas de discriminação que geram injustiças, intolerância, violência e morte. Também nós, por vezes, temos atitudes de discriminação para com os que são diferentes de nós. Ou então são sentimentos de inveja que nos impedem de encontrar no outro pessoa de Jesus que nos pede a beber da água do perdão, da amizade e da solidariedade.

Oração

Jesus, mestre de tolerância,

Ensina-nos a olhar os outros com os olhos da fé

E a oferecer-lhes a água da minha disponibilidade,

Do meu serviço e interesse pela sua felicidade. Ámen.

Acção

Que água tenho eu no poço do coração? E a quem a dou a beber?

 

NÃO BASTAM PALAVRAS (24 Março)

Palavra

Lucas 4:28

Meditação

Dado que Jesus era judeu, os Fariseus, Escribas e outros judeus chateavam-se frequentemente com ele, porque falava bem de outros povos e chegava mesmo a dizer que os pagãos tinham mais fé do que eles. Como podia ele atrever-se a dizer semelhantes heresias? Os Fariseus e Escribas ensinavam que Deus era só Deus dos Judeus e, como tal, outros povos estavam condenados à perdição. No evangelho de hoje, Jesus menciona algumas pessoas que foram abençoadas por profetas, pessoas que não pertenciam ao povo judeu e, como tal, não deveriam ter recebido essas bênçãos. Recordando os encontros que ele próprio teve com a mulher samaritana e o centurião romano, entre outros estrangeiros, vemos que para ele o mais importante era a sede de Deus e o amor que tinham pelos outros. Para Jesus, fé e amor são “as duas faces de uma mesma moeda”. Ou seja, não basta dizer que somos cristãos, não basta ir à igreja e rezar muito, não basta dizer a Deus ‘Amo-te’ e depois praticar um estilo de vida que é contrario ao evangelho em que acreditamos.

Oração

Jesus, mestre da fidelidade,

Torna-nos tuas verdadeiras testemunhas com actos concretos

De amor e solidariedade para com todos, estejam perto ou longe,

Para que a nossa fé seja realmente universal. Ámen.

Acção

Vivo a vida com uma fé activa e baseada em obras concretas ou simplesmente me limito a professá-la com os lábios?

 

EM MIM (25 Março - Festa da Anunciação)

Palavra

Lucas 1:38

Meditação

Há em Maria uma característica que è comum a Jesus e que devemos tentar imitar o mais possível: a disponibilidade e vontade para fazer a vontade de Deus. Ela não vê neste convite motivo para orgulho e vaidade, mas sim uma oportunidade para manifestar o grande amor que tem por Deus e pelo ser humano. Afinal, estava para ser mãe do Filho de Deus e de toda a humanidade. Porém, ela é cheia de graça não tanto por ser mãe de Jesus, mas acima de tudo por se ter tornado na sua primeira discípula. Sim, porque ser discípulo significa colocar-se à disposição de Deus, conhecer a sua vontade, praticar a sua vontade e colocar-se ao serviço dos irmãos e irmãs. Por isso, Maria aceita colaborar neste projecto de amor que Deus tem preparado para a humanidade. Como ela, também nós somos convidados por Deus a fazer parte deste projecto, oferecendo-lhe o nosso ser, as nossas capacidades, a nossa vontade e liberdade. Como tal, somos convidados a ser discípulos dizendo “sim” a Deus que quer a nossa felicidade. Esta felicidade conquista-se precisamente praticando a sua vontade, a qual passa pelo amor ao próximo do qual Jesus tanto falou durante o seu ministério.

Oração

Jesus, missionário do Pai,

Ajuda-nos a conciliar a nossa vontade

Com a vontade do Pai, para construirmos contigo

O Reino de Deus já neste mundo. Ámen.

Acção

Quero dar o meu “sim” a Deus hoje, amando o próximo como a mim mesmo?

 

PLENITUDE DA VIDA (26 Março)

Palavra

Mateus 5:17

Meditação

O modo como Jesus se torna a plenitude da Lei é muito polémico. De facto, os judeus esperavam dele uma observância rigorosa e exemplar dos preceitos e normativas. Mas ele não se limitou a observá-la: pelo contrário, interpretou-a de um modo inesperado e por vezes contraditório. Por exemplo, em vez de punir e discriminar quem não obedece a Lei, ele acolhe as pessoas e leva-as a uma conversão plena do coração e da vida, amando-as acima de toda e qualquer norma. Para ele, Deus é um pai, uma mãe e não um juiz severo e arrogante. Deus não é um pai “tirano”, mas sim a fonte do Amor. Eis então que Jesus jamais julga alguém. Pelo contrário, ele ama o pecador e condena o pecado. Só o amor pode libertar verdadeiramente o ser humano da força do pecado. E é precisamente este amor que leva muitos a converter-se e a mudar de vida. Também nos podemos ajudar outros a mudar de vida, a converter-se, praticando com eles o mesmo amor com que Jesus se relacionava com aqueles que o procuravam.

Oração

Jesus, nossa plenitude da vida,

Ajuda-nos a ser benevolentes

E a usar a misericórdia e compaixão

Sempre que temos de perdoar alguém. Ámen.

Acção

Acredito no poder do perdão e da compaixão?

 

APAIXONAR-SE POR JESUS (27 Março)

Palavra

Lucas 11:23

Meditação

Todo o ser humano tem necessidade de ser amado, mas nem sempre quer amar. Sim, um pode dizer que ama aqueles que o amam, mas isso não basta. Quando amamos alguém, essa pessoa torna-se parte de nós: queremos que ela seja feliz e fazemos de tudo para que o seja. Amar significa também que conhecemos o outro e queremos conhece-lo sempre mais, pois o amor torna-se mais exigente à medida que se conhece mais uma pessoa. Porém, há vezes em que amamos de forma egoísta. Ou seja, estamos mais interessados em usar o outro até que não necessitemos mais dele. E isto pode acontecer também em relação a Jesus. Amar Jesus implica conhecê-lo bem para nos apaixonarmos por ele. Mas não basta saber o que ele disse e fez: é preciso imitá-lo, fazendo o possível por ser como ele. Recordemos a velha canção do padre Zezinho, na qual ele respondeu a uma criança que para ser feliz era preciso ser como Jesus. E como todo o amor, também o nosso amor por Jesus deve aumentar e ser renovado continuamente.

Oração

Jesus, nosso amor,

Ajuda-nos a conhecer-te sempre mais,

Tornando-nos testemunhas do teu amor e consolação

Para todos os que precisam mais de ti. Ámen.

Acção

É Jesus o centro da minha vida? O que faço para me enamorar cada vez mais por ele?

 

AMAR DE TODO O CORAÇÃO (28 Março)

Palavra

Marcos 12:31

Meditação

Sabemos quanto é difícil amar o próximo como a nós mesmos, mesmo sendo pessoas da nossa família. Aliás, por vezes é mais fácil amar os que não são família. Esta é uma grande contradição, pois afinal a família é a primeira escola do amor, a primeira escola da vida, a primeira escola da felicidade. Certo, em teoria tudo isto está correcto, mas na prática sabemos que nem sempre é assim. Jesus insiste na necessidade de amarmos de todo o coração, pois só assim é mais fácil perdoar, servir, consolar, viver em paz com os outros. O problema é que nem sempre estamos dispostos a dar tudo o que temos de bom, a dar o melhor de nós, porque tal significa viver de forma humilde e colocar a felicidade do outro na nossa lista de prioridades. E não esqueçamos de que amar a Deus e amar o próximo são exactamente a mesma coisa.

Oração

Jesus, nosso amor,

Ajuda-nos a fazer o esforço de melhorarmos

A qualidade do nosso amor, começando

Por quem faz parte da nossa família. Ámen.

Acção

Sou consciente de que o amor deve começar em casa?

 

O VALOR DA HUMILDADE (29 Março)

Palavra

Lucas 18:14

Meditação

Eis mais uma parábola desconcertante de Jesus. Certamente os Fariseus e outros Judeus ficaram furiosos com ele, pois pensavam que eram mais santos e justos que o resto da população. De facto, conhecer e ensinar a Lei era para eles uma honra muito grande e toda a gente tinha por eles um respeito muito grande. Só que em vez de usarem este conhecimento para servir o povo, usavam-no precisamente para se servirem, criando benefícios e privilégios para si próprios. Mas eles sabiam que Jesus tinha razão sempre que os advertia e criticava. Esta era uma das razões pelas quais o queriam matar. Para Jesus, de facto, o mais importante não é o que dizemos a Deu nas nossas orações ou o que sabemos sobre ele, mas sim o bem que fazemos aos outros. Somos importantes para Deus, mesmo com os nossos defeitos e limites, porque podemos amá-lo nos outros. E se a nossa oração não se transforma em amor e serviço, deixa de ser oração.

Oração

Jesus, mestre controverso,

Ajuda-nos a vencer o orgulho e a vaidade

Que nos impedem de aceitar o outro como um dom teu.

Torna-nos humildes de coração, construtores de paz e fraternidade. Ámen.

Acção

Sou uma pessoa humilde?

 

 

QUEREMOS VER? (30 Março – Quarto Domingo Quaresma)

Palavra

João 9:40

Meditação

Um dos significados que o verbo “ver” tem na bíblia è o de “entender”. Ou seja, ver é entender, é compreender! Quem vê Jesus sabe escutar, acolher, entender e amar a sua palavra, a sua pessoa, a sua missão. Mas não basta fazer tudo isto: devemos também ver Deus na pessoa dos outros, sobretudo dos mais necessitados, dos fracos, dos tristes, dos que choram, dos que estão sós, das vítimas do nosso orgulho e egoísmo. Eis por que razão os Fariseus e outros chefes religiosos eram “cegos”: não só não conseguiam “ver” em Jesus o Messias de Deus, como se negavam a ver Deus nos pobres e marginalizados da sociedade. Também nós por vezes não queremos ver Deus no próximo, porque temos dificuldade ou falta de vontade em compreender o sofrimento dos outros ou o nosso próprio sofrimento. Queremos todos uma felicidade sem cruz nem sacrifícios e vivemos por vezes cegos por causa do nosso orgulho, da nossa vaidade, da nossa falta de humildade e de vontade em servir o próximo.

Oração

Jesus, olhos de Deus,

Ajuda-nos a olhar os outros com olhos novos,

A encontrar neles a tua pessoa

Para criar com eles uma nova humanidade. Ámen.

Acção

Que imagem tenho eu de Deus? Onde e como consigo vê-lo?

 

ACREDITAR EM NÓS PRÓPRIOS (31 Março)

Palavra

João 4:54

Meditação

Jesus era famoso sobretudo pelos seus milagres. De facto, onde quer que ele fosse, era sempre seguido por multidões. Muitos esperavam dele a cura de um mal ou doença. Ainda hoje muitos esperam dele a cura para tantos males, físicos ou emocionais. Se hoje ele vivesse entre nós, certamente as multidões seriam muito maiores. Basta olhar à nossa volta e ver quanta gente se encontra em situações variadas de aflição e preocupação. Mas a cura dos nossos males deve começar com nós próprios. Ou seja, muitos dos nossos males nascem do nosso orgulho e egoísmo. Devemos, por isso, curar as nossas feridas e depois ajudar os outros a curarem as suas. A nossa relação intima com Jesus é já por si remédio para muitas doenças que nos afligem, mas só ficaremos curados quando nos deixarmos cativar e desafiar pelo seu evangelho. Só depois de curados é que podemos curar outros.

Oração

Jesus, nosso médico,

Torna-nos capazes de descobrir as nossas doenças

E de curá-las com a tua ajuda.

Faz também de nós médicos do teu evangelho para curar certos males

Que tornam infelizes muitos à nossa volta. Ámen.

Acção

Sou consciente das minhas capacidades de curar algumas das minhas feridas emocionais? Creio na força curativa da humildade e do serviço?

 

A ESCOLA DA VIDA (1 Abril)

Palavra

João 5:5

Meditação

Pensemos na vida como uma escola onde aprendemos, com o passar dos anos, a relacionarmo-nos cada vez mais e melhor com Deus e com os outros. Mas para fazer isto, primeiro temos de nos conhecer a nós próprios. Sabemos bem que ninguém nasce perfeito ou ensinado, mas Deus deixou no coração de todos (sem distinção de raça, cor, credo, partido, cultura) a capacidade de amar e ser amado. Para nós cristãos, Jesus é o Mestre de vida e o seu evangelho é o nosso livro de estudo. Depois do estudo do seu evangelho, seja na oração, seja na Eucaristia, devemos torn­á-lo vivo e compreensivo para todo à nossa volta, amando-os como Jesus nos ama. Por outras palavras, devemos ser evangelho vivo e activo para quem partilha e estuda connosco na escola da vida.

Oração

Jesus, nosso evangelho,

Ensina-nos a saber estudar com humildade

As lições e desafios do teu evangelho,

Para nos tornarmos cada vez mais teus verdadeiros discípulos. Ámen.

Acção

Que aprendem os outros de mim? Aprendem também sobre Deus?

 

A ALEGRIA DA FÉ (2 Abril)

Palavra

João 5:20

Meditação

Retomemos o tema deste nosso caminho quaresmal: a esperança. A mensagem que Jesus hoje nos comunica deve ajudar-nos a renovar a esperança que está no centro da nossa fé. Ou seja, esperança que está enraizada num dos maiores dons que Deus ofereceu à humanidade: a ressurreição de Jesus. Esta é uma das maiores obras de arte de Deus e, dado que Jesus nos prometeu a ressurreição, devemos alegrar-nos e fazer festa. Estamos neste mundo não por acaso e a morte não é o fim, somente uma passagem para a vida plena e eterna com Deus e em Deus. Mas devemos experimentar já nesta vida a alegria da ressurreição, vivendo a vida com uma fé viva e activa. Esta esperança deve animar e fortalecer a nossa vontade de viver, de amar e de servir, ou seja, de partilhar o dom da ressurreição com quem faz parte da nossa vida.

Oração

Jesus, nossa ressurreição,

Agradecemos-te porque deste a vida por nós.

Queremos ser membros activos na construção

Do teu Reino já neste mundo, hoje e sempre. Ámen.

Acção

Sei o que significa construir o Reino de Deus já neste mundo? O que é que exige isso de mim?

 

SOMOS TESTEMUNHAS? (3 Abril)

Palavra

João 5:32

Meditação

Dado que fomos baptizados, devemos mostrar a todos que somos verdadeiramente baptizados. Ou seja, os outros devem encontrar em nós um modo diferente de viver a vida, de viver a nossa relação com eles e, claro, com Deus. Ser baptizados não quer dizer que somos melhores de quem não conhece Jesus. Quer dizer que devemos amar não só como ama toda a gente, mas amar ao estilo de Jesus. Senão, para que serve frequentar a igreja? Se dizemos que acreditamos em Jesus, devemos tornar-nos suas verdadeiras testemunhas, gente que o conhece, o ama e segue o seu estilo de vida. O nosso mundo precisa de testemunhas do evangelho, de gente que assume os valores que nele se encontram e acredita no melhor que há em cada ser humano, começando por si próprios. O mundo precisa de gente que se esforça por criar condições para que outros se sintam mais amados, compreendidos, valorizados e apreciados.

Oração

Jesus, testemunha do Pai,

Torna-nos conscientes da necessidade de te anunciar

A todos à nossa volta com um estilo de vida

Que lhes faça ver que tu estás em nós. Ámen.

Acção

Como dou testemunho de Jesus?

 

CONHECER DEUS (4 Abril)

Palavra

João 7:29

Meditação

Eis outro discurso herético e escandaloso de Jesus. Como podia ele atrever-se a chamar “Pai” a Deus? Como podia ele dizer que o conhecia? E que tinha sido Deus Pai quem o enviou? Para os Judeus, ninguém podia conhecer a Deus, ninguém o tinha visto nem sabia como se chamava. Mas Jesus não só diz que o conhece, como o trata por “Paizinho” (Abbá). E quem é Deus para nós? É ainda aquele velhote barbudo, severo e amargurado que nos castiga sempre que fazemos algo de errado? Ou é um pai, uma mãe generosa e carinhosa, que nos enche de carícias e bênçãos, mesmo quando o traímos? Jesus exprime o seu conhecimento de Deus Pai e ensina-nos que ele é Amor precisamente através da prática do amor de forma generosa e gratuita. O modo como nos relacionamos com os outros revela o Deus em que acreditámos.

Oração

Jesus, revelação do Pai,

Ajuda-nos a conhecer e a amar Deus como Pai, como Mãe,

Amando sobretudo aqueles que se sentem abandonados por Deus. Ámen.

Acção

De que Deus falo com as minhas acções?

FALAR DE DEUS (5 Abril)

Palavra

João 7:46

Meditação

Até mesmo os guardas do Templo ficaram fascinados com as palavras de Jesus. De facto, ele era famoso pelos seus discursos desconcertantes e atractivos. Ele falava com paixão e as suas palavras reflectiam um grande amor por Deus Pai e pelo ser humano. Mas não era suficiente para ele dizer tantas coisas ou fazer belos discursos: ele era o primeiro a pôr em prática tudo o que dizia e ensinava, mesmo quando muitos não conseguiam entendê-lo ou simplesmente não o aceitavam. E nós? Também dizemos muitas coisas a Deus e aos outros quando rezamos ou vamos à igreja, certo? Falar de Deus aos outros implica tornar activo o que dizemos, senão somos apenas charlatães. Pode parecer repetitivo dizer que sem obras a nossa fé não passa de uma crença vazia, mas devemos recordar-nos de vez em quando do famoso ditado que diz “uma acção vale mais que mil palavras.”

Oração

Jesus, palavra viva e activa de Deus,

Ajuda-nos a não ter medo de falar de ti

Mesmo quando a sociedade ou os outros me dizem para estar calado,

Anunciando-lhes que és tu a nossa regra e sentido da vida. Ámen.

Acção

Deus está presente nas minhas decisões? Ou faço como fazem todos, por medo de ser discriminado ou rejeitado?

 

JESUS, HUMANO COMO NÓS (6 Abril – Quinto Domingo Quaresma)

Palavra

João 11:35

Meditação

Uma das expressões mais bonitas da humanidade de Jesus é a amizade que ele nutria por tantas pessoas, incluindo Lázaro e suas irmãs Maria e Marta. Sabemos quanto é importante termos amigos, estabelecer relações de amor, de partilha, de interesses e ajuda mútua. Todos nós temos necessidade de fazer amizade com outros, também porque Deus não nos criou para estarmos sós. Mais ainda: ninguém pode amar e ser amado estando sozinho. Mas não basta amar só quem nos ama ou pensa como nós. Certo, não podemos amar a todos da mesma maneira e intensidade, mas devemos criar com todos relações de paz, respeito e fraternidade. Amar implica humildade, respeito, tolerância, perdão, compaixão e outras atitudes que dignificam uma pessoa. E convém não esquecer que Jesus insistiu muito nesta verdade: o que fazemos aos outros fazemo-lo a ele. Sim, porque Deus também se encontra no coração dos outros, não só no nosso.

Oração

Jesus, Deus feito homem,

Obrigado porque nos chamas de amigos,

Obrigado porque nos ofereces o teu Espírito todos os dias.

Ajuda-nos a carregar a cruz com esperança e fé. Ámen.

Acção

Tenho amigos verdadeiros? E entre eles está também Jesus?

 

CONFESSAR COMO AMAMOS (7 Abril)

Palavra

João 8:5

Meditação

Normalmente, quando nos vamos confessar dizemos a Deus o que fizemos de mal ou errado, mas devemos também mencionar o que não fizemos. Ou seja, por vezes fazemos mal a alguém precisamente por não termos feito nada. Um dos maiores males da nossa sociedade é a indiferença perante o mal alheio. Por vezes, nós mesmos perdemos oportunidades de amar porque simplesmente não nos queremos incomodar ou esperamos que alguém o faça. E assim esquecemo-nos o mandamento do amor reciproco: amar o próximo como a nós mesmos. O sacramento da reconciliação não deve ser só um conferir se obedecemos ou não às normas da Igreja, mas deve ser sobretudo uma avaliação pessoal sobre o modo como amamos ou não amamos. Neste dialogo de amor entre nos e Deus chamado confissão devemos abrir-lhe honestamente o coração e renovar com ele a nossa aliança de amor, vivendo a vida de forma mais autentica e generosa.

Oração

Jesus, nosso mestre de docilidade,

Obrigado pelo perdão e a possibilidade

De um novo recomeço que nos ofereces

Cada vez que regressamos a ti.

Ensina-nos a oferecê-lo aos outros amá-los ainda mais. Ámen.

Acção

Como faço normalmente a minha confissão? Sinto que ela me aproxima mais só a Deus, ou também aos outros?

 

VIVER A VIDA HOJE (8 Abril)

Palavra

João 8:23

Meditação

Um dos grandes mistérios de sempre e que ainda hoje o ser humano procura entender é o da morte. Todos sabemos que a um certo momento a vida acaba. E depois? O que é que há depois da morte? E o que é que existia antes que nascêssemos? Jesus diz que não é deste mundo e, com a sua ressurreição, prometeu-nos a vida eterna. Mas… e o que é a vida eterna? Certamente gostaríamos de saber exactamente o que é, mas como os mortos não regressam ao mundo dos vivos, o mais importante é perguntar a nós mesmos como fazer para viver em profundidade e com sentido o momento presente, a vida que temos nas mãos. Sim, porque a vida eterna deve ser preparada aqui e agora e não depois da morte. Até porque se a morte fosse o fim de tudo, muitas das coisas que fazemos e vivemos não teriam sentido. Renovemos, como tal, a nossa fé’ e esperança na ressurreição, sobretudo na eucaristia.

Oração

Jesus, nosso ontem, hoje e amanhã,

Às vezes vivemos tristes e sem forças

Porque a cruz é demasiada pesada e a vida parece não ter sentido.

Ajuda-nos a acreditar ainda mais na tua palavra e promessa. Ámen.

Acção

Que sentido tem para mim a vida? Que papel têm Deus e os outros na minha vida?

 

SOMOS ESCRAVOS OU LIVRES? (9 Abril)

Palavra

João 8:34

Meditação

Um dos dons mais preciosos que possuímos è o da liberdade. Os mais jovens não terão memória dos tempos da ditadura e do 25 de Abril, mas os mais velhos sabem o quanto custou recuperar a liberdade. Mas ainda hoje, apesar de vivermos em liberdade e democracia, somos escravos de outros poderes, de outras forças: do dinheiro, da vaidade, do orgulho, da concorrência violenta, da corrupção, do stress, do consumismo exagerado, da solidão… À medida que os tempos avançam e a tecnologia se desenvolve, mais desumana se torna a sociedade. Como cristãos, devemos sugerir uma outra forma de sociedade, baseada na solidariedade, na partilha e no ser humano. Liberdade não é fazer aquilo que nos apetece, mas poder usar bem os dons que promovem os valores que defendem a dignidade de cada pessoa. E não esqueçamos que a responsabilidade deve estar sempre associada à liberdade.

Oração

Jesus, nossa libertação,

Ajuda-nos a libertar-nos de tudo o que nos escraviza,

Para vivermos a vida centrados na tua palavra

E na felicidade dos que estão à nossa volta. Ámen.

Acção

O que è me escraviza neste momento? Tenho vontade de me libertar? Como e quando?

 

TORNAR-SE PALAVRA DE DEUS (10 Abril)

Palavra

João 8:51

Meditação

Recordemos as palavras do evangelista João no prólogo do seu evangelho: “A Palavra fez-se carne a habitou entre nós” (João 1:14) Para que serve a palavra? Serve para exprimir ou comunicar uma ideia, um sentimento, um desejo, uma vontade, um conteúdo. Ela é essencial para a comunicação, embora existam outras formas de comunicação não-verbais. No caso de Deus, ele decidiu falar-nos na pessoa de Jesus, dispensando a figura dos profetas, os quais transmitiam a sua palavra e vontade: agora Deus fala de forma directa e pessoal na pessoa de Jesus. Por isso mesmo Jesus insistia que ele e o Pai eram um só, convidando-nos a sermos também um só com Deus. E através de nós quer dizer a outros que os ama. Que uso fazemos então da nossa vida? Ela deve tornar-se Palavra de Deus através de acções concretas de amor e serviço.

Oração

Jesus, palavra alegre de Deus,

Torna-nos atentos aos teus ensinamentos

Para viver a viva com mais alegria e transmiti-la

A quem está à nossa volta, com disponibilidade e humildade. Ámen.

Acção

Sou palavra de Deus? Que tipo de palavra? E de qual Deus?

 

TORNAR-SE COMO DEUS (11 Abril)

Palavra

João 10:36

Meditação

Uma das grandes novidades do discurso de Jesus é o facto de chamar Deus de “Paizinho” (Abbá). De facto, nunca ninguém tinha tratado Deus desta maneira. Para os Judeus, ninguém podia fazê-lo, porque chamá-lo assim significaria… ser como Ele! E para eles esta era uma das maiores heresias. De facto, ninguém podia considerar-se como ele. Mas é precisamente para nos fazer ver que Deus é Amor que Jesus insiste em chamá-lo de Pai. Na oração que ele ensinou aos discípulos, as primeiras palavras são “Pai-nosso”. Ou seja, somos como Deus porque Ele nos criou. Mas não basta dizer “Pai-nosso”: é preciso viver como seus verdadeiros filhos e filhas. Ou seja, o que nos identifica como cristãos não é tanto o facto de termos sido baptizados e participar na vida da Igreja, mas sim o impacto que a nossa fé tem na forma como vivemos e nos relacionamos com o próximo.

Oração

Jesus, Filho de Deus,

Nós te louvamos porque nos fizeste conhecer

O coração paternal e misericordioso de Deus,

Teu e nosso Pai. Ámen.

Acção

Que lugar ocupa Deus na minha vida? Sinto-o como um pai, como uma mãe, ou como o tal velhote perdido nas nuvens que me assusta e ameaça?

 

MUITOS SINAIS (12 Abril)

Palavra

João 11:47

Meditação

É certamente uma das maiores contradições na história da humanidade: Jesus, um homem bom e que nunca fez mal a ninguém, considerado um profeta santo também por outras religiões, foi condenado à pior das mortes do seu tempo. Infelizmente, contradições como esta são muito frequentes nos dias que correm: quantas pessoas boas e que se dedicam ao serviço do próximo sofrem perseguição e morte violenta? Quantas pessoas boas, honestas e simples não são massacradas, perseguidas ou sofrem por causa da guerra e violência, só porque pertencem a um grupo social, religioso ou político diferente? Recordemos a tragédia da Síria, com centenas de milhares de mortes, dois milhões e meios de refugiados a viver em condições desumanas em campos com poucas condições e mais de seis milhões de pessoas que foram forçadas a sair da sua terra e procurar abrigo noutras partes do país. Mas são muitos mais os países onde se cometem atrocidades e nós não podemos ficar indiferentes. Certo, não podemos fazer muito, mas recordá-los na oração e pedir para eles a paz e a justiça são já uma forma de ajudar.

Oração

Jesus, nossa paz,

Apresentamos-te os nossos irmãos e irmãs

Que por esse mundo fora são vítimas de injustiças graves.

Ilumina os corações dos governantes

Para que promovam o bem comum e a justiça que liberta. Ámen.

Acção

Sou capaz de aceitar humildemente a vontade de Deus? Ou quero que ele faça sempre a minha?

 

FAÇA-SE A TUA VONTADE (13 Abril – Domingo de Ramos)

Palavra

Mateus 26:39

Meditação

Estamos dando início à semana que marcou profundamente a história da humanidade. Jesus entra em Jerusalém e o drama da sua crucifixão, durante a qual ele é abandonado por todos, excepto pela sua mãe, João e algumas mulheres. E nós? Como queremos viver esta semana santa? Tentemos vivê-la com uma esperança renovada, esperança que confirma a nossa fé e nos ajuda a prepararmos bem a Páscoa que se aproxima. Sim, porque sabemos que a morte não é o fim. Deus manifesta o seu grande amor por Jesus e pela humanidade ressuscitando-o dos mortos. A vontade do Pai manifesta-se na vitória da vida sobre a morte. Como tal, fazer a vontade de Deus significa também escolher a vida, tomando decisões que promovem a vida, a alegria, a esperança e a dignidade. Apesar de todos os contrastes e momentos difíceis por que passamos, devemos vivê-la com alegria porque acreditamos na ressurreição que Jesus nos prometeu. Façamos então o propósito de um empenho maior no viver segundo a vontade do Pai que nada mais quer que a nossa felicidade.

Oração

Jesus, nossa alegria,

Nós te louvamos porque aceitaste morrer por nós,

Confirmando a veracidade de todos os teus ensinamentos.

Torna-nos testemunhas autênticas do teu evangelho. Ámen.

Acção

Vivamos esta semana com um coração missionário, ou seja, recordando na oração aqueles que ainda não conhecem Jesus e os missionários que lhes proclamam o evangelho.

 

DAR O MELHOR DE NÓS MESMOS (14 Abril)

Palavra

João 12:3

Meditação

Pensemos por um momento a este gesto de Maria. Sabemos que ela é uma pessoa muito querida para Jesus, por quem ele nutre uma amizade muito especial. Certo, Maria, tal como sua irmã Marta e seu irmão Lázaro, tem um amor muito especial por Jesus. Maria exprime-o com esta oferta. E nós? Que podemos oferecer a Jesus? Antes de mais, devemos perguntar-nos não o que podemos eventualmente oferecer, mas… quem podemos oferecer. Sim, devemos oferecer-nos a nós próprios. Dar-se a Jesus significa dar-se aos irmãos. Como tal, somos convidados a fazer da nossa vida um dom, uma oferta agradável a deus colocando-nos ao serviço de quem dele precisa. Se repararmos bem, somos possuidores de muitos dons e qualidades. Não há ninguém que não possa fazer algo por alguém. Claro, é necessária muita humildade para amar e server, sobretudo quando amar significa perdoar, consolar, acompanhar alguém que sofre não só com um telefonema mas com uma visita e ajuda concreta… e exemplos não faltam. Falta sim renovar o nosso “sim” a Deus e ao próximo.

Oração

Jesus, que és o melhor que Deus nos oferece,

Torna-nos mais disponíveis ao serviço do outros,

Partilhando com eles os frutos

Da minha intimidade e amor por ti. Ámen.

Acção

Para dar è necessário ter. Que tenho eu em mim, no meu coração, que sirva de oferta aos outros?

 

JESUS ACREDITA EM MIM (15 Abril)

Palavra

João 13:38

Meditação

Renovemos a nossa alegria, porque apesar do nosso pecado, com o qual traímos Jesus inúmeras vezes, ele ama-nos e acredita em nós. Ele acredita na nossa capacidade de mudar de estilo de vida, de mudar a nossa atitude perante os outros, de viver em sintonia com o seu evangelho. Ele renova esta fé em cada um de nós cada vez que sentimos a sua presença em nós, cada vez que celebramos a Eucaristia, cada vez que o encontramos e amamos nos outros. Por isso, se ele acredita em nós, devemos também fazer o esforço de acreditar na boa vontade dos outros, oferecendo-lhes não só o nosso perdão, mas também a nossa amizade renovada. Para Jesus, ‘e mais importante a nossa capacidade de amar do que a fraqueza que por vezes manifestamos nas escolhas erradas que fazemos. Por outras palavras, ele acredita em nós e renova essa confiança com o seu perdão; é então que, perdoados devemos dar o melhor de nos próprios, não esquecendo que devemos perdoar primeiro para sermos perdoados, amar para sermos amados, servir para sermos felizes.

Oração

Jesus, mestre da confiança,

Obrigado porque nos amas mesmo quando não te amamos,

Obrigado porque acreditas em nós mesmo quando te esquecemos,

Obrigado porque nos chamas “amigos” mesmo quando te traímos. Ámen.

Acção

Acredito em mim mesmo? Quero usar as minhas capacidades de renovar com os outros relações de fraternidade verdadeira e activa? Ou prefiro o ódio e a vingança?

 

A MINHA FELICIDADE ESTÁ NO OUTRO (16 Abril)

Palavra

Mateus 26:16

Meditação

É certo que a figura de Judas Iscariotes não agrada a ninguém, tanto que não conhecemos ninguém que tenha sido baptizado com este nome. Como foi possível que ele traísse Jesus, o qual o tinha chamado, instruído e amado como amigo e irmão? Infelizmente, Judas pensava que a felicidade se podia comprar. Também não compreendeu que a verdadeira felicidade estava sempre com ele, dia após dia, na amizade que Jesus partilhava com ele. Mas nós não somos muito diferentes dele: é frequente associarmos a felicidade a coisas materiais, ao bem-estar material. Mas sabemos que as coisas não podem preencher o nosso coração com a verdadeira felicidade, se bem que elas sejam necessárias. Ela encontra-se, como nos ensina Jesus, no colocar o próximo no centro da nossa vida, no servi-lo, amá-lo, perdoá-lo. Sim, porque ninguém é feliz sozinho! Fomos criados para amar e ser amados, como tal ser feliz implica também dar valor ao que somos e usar o que temos para fazer feliz o outro, pois a partilha está na base da felicidade autêntica.

Oração

Jesus, nossa felicidade,

Ajuda-nos a centrar a nossa atenção, o nosso afecto,

O nosso amor e dedicação nas pessoas à nossa volta

Partilhando também os bens que temos. Ámen.

Acção

Que relação tenho com as coisas materiais?  

 

A ESCOLA DO SERVIÇO (17 Abril - 5a Feira Santa)

Palavra

João 13:5

Meditação

Eis mais um gesto chocante e contraditório de Jesus, desta vez feito aos seus discípulos. Como podia ele permitir-se lavar-lhes os pés? Um Mestre “normal” jamais podia fazer semelhante, pois essa seria eventualmente a tarefa de um servo, de um “inferior”. Apesar dos discípulos não entenderem este gesto naquele momento, Jesus fá-lo para lhes ensinar um dos significados mais profundos da Eucaristia: o serviço ao próximo. Sim, a Eucaristia não se reduz aos 50 minutos de missa: ela continua depois do encontro celebrado na igreja. E continua porque somos convidados, no fim do rito eucarístico, a pôr em prática o evangelho que escutamos. Ou seja, o evangelho deve tornar-se vida, deve iluminar e guiar as nossas acções, deve tornar-se serviço e solidariedade para com o próximo. A Eucaristia tem sentido quando lavamos os pés dos outros, tal como fez Jesus. Senão o evangelho não pode tornar-se Boa Nova. Sim, sabemos que não é fácil amar e servir, mesmo os nossos familiares e amigos. Amar implica dar-se, como Jesus se dá a nós. Amar implica partilhar a nossa vida com os outros, mesmo quando devemos “perdê-la” para que eles possam “viver”. Ou seja, a nossa disponibilidade, o nosso serviço, o nosso perdão e consolação são instrumentos e sinais concretos de Páscoa, de Ressurreição. .

Acção

Consigo viver a minha vida e a minha fé numa atitude eucarística?

 

A ESCOLA DA CRUZ (18 Abril – 6a Feira Santa)

Palavra

João 18:11

Meditação

Recordemos por um momento a figura de Maria aos pés da cruz. Ela representa todas as mulheres do mundo, todas as crianças do mundo, todos os homens do mundo, todos os jovens do mundo que choram por causa do sofrimento e da morte. Este sofrimento á causado, em grande parte, pelo ser humano. Não podemos pensar na morte de Jesus como um facto ocorrido há 2000 anos atrás: ela acorre ainda hoje, sempre que no mundo alguém morre por causa de injustiças, da violência, da guerra. Com a sua morte na cruz, Jesus partilha com a humanidade inteira o drama do sofrimento. E nós? Que representa para nós a cruz? Muitas vezes ela causa-nos medo; queremos evitá-la, procurando uma felicidade sem dor, sem sacrifícios, sem lágrimas, sem cruz. Mas infelizmente este tipo de felicidade não se pode encontrar em lado algum. Devemos então entender que o sentido da cruz está na partilha do sofrimento de quem está a nossa lado, no chorar com quem chora, no sentir como minha a dor do outro, no consolar quem não encontra sentido na vida. Com a sua morte na cruz, Jesus partilha plenamente a nossa humanidade e aproxima-nos mais a Deus. No partilhar o sofrimento do próximo, estamos ajudando-o a sentir ainda mais próximo o amor de Deus por essa pessoa. E sabemos bem que o sofrimento aproxima as pessoas e muitos que ultrapassam situações de sofrimento dizem amar ainda mais a vida e prometem vive-la sem dar por descontado muita coisa, sobretudo as pessoas que mais amam. Mais ainda: como se costuma dizer, é nos momentos mais difíceis que os verdadeiros amigos se revelam. Aprendamos então a amar através da cruz, renovando a nossa fé e esperança na ressurreição.

Acção

Tenho forcas para carregar a minha cruz? Onde as encontro? Sou capaz de me tornar força para que os outros carreguem a sua?

 

A ESCOLA DA VIDA (19 Abril – Sábado Santo)

Palavra

Mateus 28:1

Meditação

Jesus põe em prática um dos seus ensinamentos mais belos e difíceis: “Não há maior amor do que dar a vida pelo amigo” (João 15:13). É verdade, são palavras bonitas, mas quem de nós seria capaz de dar a vida por alguém? Sem dúvida, muitos pais e mães dariam a vida pelos seus filhos como de facto muitos dão por esse mundo fora. Outros que dão a vida pelo próximo são muitos voluntários e missionários que não abandonam os mais pobres e indefesos. Mas morrer não significa somente perder a vida física. Dar a vida pelos amigos significa fazer da felicidade do outro uma das nossas prioridades. Se para amar verdadeiramente temos de “morrer” a nós próprios, ou seja, ao nosso orgulho, ao nosso egoísmo, à nossa vaidade, às nossas manias e vontade, devemos repensar as nossas prioridades. Jesus podia muito bem ter escolhido não morrer por nós, mas fê-lo porque nos ama verdadeiramente. Somos a sua prioridade. Eis então que o amor gera vida, porque vence a morte, a morte causada pela indiferença, pelo egoísmo, pelo viver a vida sem que Deus faca verdadeiramente parte dela. Ressuscitamos e partilhamos o dom da ressurreição sempre que fazemos da partilha a nossa prioridade, pois só podemos ser felizes quando o são também os que partilham a vida connosco. Por isso tem sentido dizer que “o amor começa em casa.” Acolhamos Jesus que quer ressuscitar mais uma vez em nossos corações para podermos ressuscitar com ele.

Acção

Como e por quem estou dando a minha vida?

 

A ESCOLA DA ESPERANÇA (20 Abril – Páscoa da Ressurreição)

Palavra

João 20:8

Meditação

Podemos imaginar a alegria dos discípulos ao verem Jesus ressuscitado, mas sobretudo a alegria de Maria, sua Mãe. A alegria é o sentimento que prevalece em seus corações, porque antes tinham experimentado uma tristeza muito profunda. Devemos também nós experimentar esta alegria, porque como dirá depois Jesus a Tomé, “felizes são os que acreditam sem terem visto” (João 20:29). A ressurreição de Jesus deve ser para nós a razão de uma alegria profunda, a qual nos deve transformar e renovar. Certo, a vida continua a ser dura em certos momentos, mas devemos vivê-la com esperança. Procurar o sentido da vida é algo que fazemos desde o dia do nosso nascimento até ao dia em que deixaremos este mundo. Para nós, cristãos, Jesus tornou-se não só o sentido, mas também a origem e o fim da nossa vida. Por isso, o nosso modo de a viver tem de ter algo de especial. A alegria da ressurreição deve fazer de nós verdadeiros discípulos, ou seja, gente que conhece e ama Jesus, tanto que o quer propôr aos outros como mestre de vida. Esta proposta deve ser baseada no nosso estilo de vida, o qual deve estar em consonância com o estilo de Jesus. Só assim os outros poderão conhecer, amar e seguir Jesus e, com todos nós, partilhar a alegria da ressurreição. Porém, por vezes somos acusados de ser tristes, de termos celebrações monótonas e sem vida, talvez porque na nossa vida de todos os dias não encontramos a alegria que transforma a vida. Se calhar, vivemos demasiadamente insatisfeitos, mas se dermos valor às pequenas coisas e sobretudo a quem faz parte da nossa vida, descobriremos ali Deus que renova connosco o dom da ressurreição. Alegremo-nos então com os pequenos milagres quotidianos e façamos festa, dedicando-nos com garra e paixão à vida e ao próximo.

 

A todos os votos de uma alegre e feliz Páscoa!

-----------------------------------------------------

 

OBRIGADO!

 

Obrigado, Deus!

Obrigado porque me dás a vida, todos os dias,

Obrigado porque renovas comigo o teu amor, todos os dias.

Obrigado porque estás a meu lado, todos os dias.

Obrigado porque me envias o teu Espírito, todos os dias.

Obrigado porque me recebes em tua casa, todos os dias.

Obrigado porque me beijas, todos os dias.

Obrigado porque me dás Jesus, todos os dias.

Obrigado porque me dás o pão, todos os dias.

Obrigado porque estás nos outros, todos os dias.

Obrigado porque me ama assim como sou, todos os dias.

Obrigado…


Recenti

Nace la Conferencia Eclesial de la Amazonía: “una respuesta oportuna a los gritos de los pobres y de la hermana madre Tierra”

Nace la Conferencia Eclesial d…

30 Giu 2020 Finestra sul Mondo

Catechesi: un Direttorio molto atteso, “per far conoscere l'amore cristiano"

Catechesi: un Direttorio molto…

30 Giu 2020 Finestra sul Mondo

Anno Laudato si', opportunità di rinnovamento pastorale e missionario in America Latina

Anno Laudato si', opportunità…

30 Giu 2020 Missione Oggi

Grazie per San Tommaso

Grazie per San Tommaso

30 Giu 2020 Preghiere Missionarie

XIV Domenica -T. O. - Anno A

XIV Domenica -T. O. - Anno A

30 Giu 2020 Domenica Missionaria

La missione è già la prima consolazione per noi

La missione è già la prima c…

27 Giu 2020 I Nostri Missionari Dicono

A misericórdia: caminho para amazonizar-se

A misericórdia: caminho para …

27 Giu 2020 I Nostri Missionari Dicono

Kenya: Consolata, Our Mother’s Day

Kenya: Consolata, Our Mother…

26 Giu 2020 I Nostri Missionari Dicono

Il Cardinale Tagle: "Il linguaggio dell'evangelizzazione è quello della carità"

Il Cardinale Tagle: "Il l…

26 Giu 2020 Missione Oggi

Preghiera dell'accoglienza

Preghiera dell'accoglienza

26 Giu 2020 Preghiere Missionarie