Stampa questa pagina

Cronaca del Corso IMC 25 (11)

Letto 229 volte
Vota questo articolo
(0 Voti)
Etichettato sotto

    IT   ES   PT

Giovedì 20 febbraio 2020.

P. Nestor Iland'a Nkulu ha presieduto l'Eucaristia e ha invitato le persone a non discriminare a causa del loro aspetto o della loro condizione, seguendo il pensiero della prima lettura di San Giacomo. Ha poi riflettuto sulla nostra identità e sull'identità di Cristo, invitandoci a dargli l'identità che gli appartiene non quella che ci conviene, il figlio di Dio incarnato, perseguitato, crocifisso e poi risorto.

P. Efrem Baldasso ha spiegato i numeri dal 36 al 42 delle nostre Costituzioni, che iniziano il blocco dei voti. Ci sono cinque numeri che sviluppano il voto di obbedienza; due sul voto di castità e sette sul voto di povertà.

Il n. 36 inizia con il voto di obbedienza, che il Fondatore considerava "il più eccellente". Ha detto che una comunità senza obbedienza “è un ergastolo". Lo scopo dell'obbedienza è la missione. Il beato Allamano ha detto: "Sono in pace perché ho sempre cercato la volontà di Dio”.

Il n. 37 mostra come comandare e come obbedire. Ora parliamo di obbedienza nella fede perché cerchiamo lo spirito di famiglia, non progetti privati. Per questo, il dialogo e il discernimento sono importanti. Poi il superiore fa la sintesi che viene accettata da tutti con un cordiale consenso. È un rischio organizzare le votazioni o fare scelte senza discernimento perché la maggioranza non implica necessariamente la volontà di Dio.

Il n. 38 indica tre aree di obbedienza: la vita, l'Istituto e i voti. Il n. 39 sviluppa altri aspetti giuridici dell'obbedienza. Il n. 40 riconosce il carattere ecclesiale dell'obbedienza al Papa che è presente in tutte le nostre Costituzioni perché viene dal Fondatore.

Il n. 41 sviluppa teologicamente la castità consacrata. Si sottolineano due aspetti: il missionario la vive "a immagine di Cristo"; e "è un'opzione per il Regno di Dio". In questo modo si manifesta la novità del Vangelo e l'anticipazione del Regno futuro. La castità nel celibato è un carisma, un dono di Dio ricevuto da Cristo. Per questo motivo è un valore, non un obbligo, poiché è stato accettato con libertà e ringraziamento a Dio. Il numero termina con l'esortazione a vivere un amore senza riserve. In questo modo la missione dei Missionari della Consolata sarà fruttuosa.

Il n. 42 dà consigli pratici e ci ricorda che il missionario segue Gesù in modo particolare. Ci invita a vivere il voto di castità con maturità umana ed equilibrio personale in modo comunitario e teologico, chiedendo la grazia di Dio perché dobbiamo rispondere ogni giorno della nostra vita.

Poi c'è stato il tempo di lavorare per continente sulla "vita fraterna in comunità" indicando due aspetti essenziali su cui lavorare dopo quello che abbiamo vissuto in questi giorni; trovare un'icona biblica per ispirare questo cammino, oltre che un'illuminazione dai documenti dell’iMC; per finire con l'individuazione di passi e tappe valutabili per raggiungere i due aspetti che sono stati proposti. Alla fine, c'è stato un dialogo alla presenza di p. Stefano Camerlengo sulla stabilità/itineranza nelle comunità IMC e sul ruolo del superiore locale.

      

      

  

 

  IT   ES   PT

Jueves, 20 de febrero de 2020.

El p. Nestor Iland’a Nkulu ha presidido la eucaristía y ha invitado a no discriminar las personas por su apariencia o estado, siguiendo el pensamiento de la primera lectura de Santiago. A continuación, ha hecho una reflexión sobre nuestra identidad y la identidad de Cristo, invitando a darle la identidad que nos atrae sino la que le pertenece, el hijo de Dios encarnado, que ha sido perseguido y crucificado y, después, resucitado.

El p. Efrem Baldasso ha explicado los números 36 al 42 de nuestras Constituciones, que inician el bloque sobre los votos. Hay cinco números que desarrollan el voto de obediencia; dos sobre el voto de castidad; y siete sobre el voto de pobreza.

El n.36 empieza con el voto de la obediencia, que el Fundador consideraba “el más excelente”. Decía que una comunidad sin obediencia es una “condena para toda la vida”. La finalidad de la obediencia es la misión. El Beato Allamano decía: “Estoy tranquilo porque siempre he buscado la voluntad de Dios”.

El n.37 muestra cómo se manda y cómo se obedece. Ahora se habla de una obediencia en la fe porque se busca el espíritu de familia, no los proyectos privados. Para ello, es importante el diálogo y el discernimiento. Luego, el superior hace la síntesis que es acogida por todos con un consenso cordial. Es un riesgo organizar votaciones o hacer opciones sin discernimiento porque la mayoría no implica necesariamente la voluntad de Dios.

El n.38 indica tres ámbitos de la obediencia: la vida, el Instituto y los votos. El n.39 desarrolla otros aspectos jurídicos de la obediencia. El n.40 reconoce el carácter eclesial de la obediencia al Papa que está presente en todas nuestras Constituciones porque proviene del Fundador.

El n.41 desarrolla teológicamente la castidad consagrada. Hay dos aspectos que son subrayados: el misionero la vive “a imagen de Cristo”; y “es una opción por el Reinado de Dios”. Así se manifiesta la novedad del evangelio y la anticipación del Reino futuro. La castidad en el celibato es un carisma, un don de Dios recibido de Cristo. Por eso es un valor, no una obligación, ya que ha sido acogido con libertad y agradecimiento a Dios. El número termina con una exhortación a vivir un amor sin reservas. De esta forma, la misión de los misioneros de la Consolata será fecunda.

El n.42 da recomendaciones prácticas y recuerda que el misionero sigue Jesús de un modo particular. Por eso, invita a vivir el voto de castidad con madurez humana y equilibrio personal, de forma comunitaria y teologal, pidiendo la gracia de Dios porque se necesita responder cada día de nuestra vida.

A continuación, ha habido un tiempo para trabajar por continentes “la vida fraterna en comunidad” señalando dos aspectos esenciales a trabajar tras lo vivido estos días; encontrar un icono bíblico que inspire este camino, así como una iluminación desde los documentos IMC; para finalizar identificando pasos y etapas evaluables para alcanzar los dos aspectos que se han propuesto. Al final, ha habido un diálogo en presencia del p. Stefano Camerlengo sobre la estabilidad/itinerancia en las comunidades IMC, así como sobre la figura del superior local.

 IT   ES   PT

Quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020.

Padre Nestor Iland'a Nkulu presidiu à Eucaristia e convidou os presentes a não discriminarem por sua aparência ou condição, seguindo o pensamento da primeira leitura de São Tiago. Refletiu depois sobre a nossa identidade e a identidade de Cristo, convidando-nos a dar-lhe a identidade que lhe pertence, não a identidade que nos convém, o Filho de Deus encarnado, perseguido, crucificado e depois ressuscitado.

O padre Efrem Baldasso explicou os números 36 a 42 das nossas Constituições, que iniciam o bloco sobre os votos. Há cinco números que se centram no voto de obediência; dois no voto de castidade e sete debruçam-se sobre o voto de pobreza.

O número 36 começa com o voto de obediência, que o Fundador considerou "o mais excelente". Ele disse que uma comunidade sem obediência "é uma sentença de prisão perpétua". O propósito da obediência é a missão. O Beato Allamano disse: "Estou em paz porque sempre procurei a vontade de Deus.

O número 37 mostra como mandar e obedecer. Agora falamos de obediência na fé porque buscamos o espírito de família, não projetos pessoais. Para tal, o diálogo e o discernimento são importantes. Depois, o superior faz a síntese que é acolhida por todos, com um cordial consenso. É um risco fazer votações ou fazer escolhas sem discernimento porque a maioria não implica necessariamente a vontade de Deus.

O número 38 indica três áreas de obediência: a vida, o Instituto e os votos. O número 39 desenvolve outros aspetos jurídicos da obediência. O número 40 reconhece o carácter eclesial da obediência ao Papa que está presente em todas as nossas Constituições porque vem do Fundador.

O número 41 desenvolve teologicamente a castidade consagrada. Dois aspetos são enfatizados: o missionário vive-a "à imagem de Cristo"; e "é uma opção para o Reino de Deus". Desta forma, manifestam-se a novidade do Evangelho e a antecipação do Reino futuro. A castidade no celibato é um carisma, um dom de Deus recebido de Cristo. Por esta razão é um valor, não uma obrigação, já que foi colhido com liberdade e ação de graças a Deus. O número termina com uma exortação a viver um amor sem reservas. Desta forma, a missão dos Missionários da Consolata será fecunda.

O número 42 dá conselhos práticos recorda-nos que o missionário segue Jesus de uma maneira especial. Ele convida-nos a viver o voto de castidade com maturidade humana e equilíbrio pessoal, de forma comunitária e teológica, pedindo a graça de Deus, porque devemos responder todos os dias da nossa vida.

Depois houve o tempo de trabalhar, reunidos por continentes, sobre a "vida fraterna em comunidade", indicando dois aspetos essenciais para trabalhar a partir do que vivemos nestes dias; encontrar um ícone bíblico para inspirar este caminho, assim como uma iluminação dos documentos do IMC; terminar com a identificação dos passos e etapas que podem ser avaliados para alcançar os dois aspetos que foram propostos. No final, decorreu um diálogo, na presença do padre Stefano Camerlengo sobre a estabilidade/itinerância nas comunidades IMC e o papel do superior local. 

Ultima modifica il Lunedì, 24 Febbraio 2020 12:30
Devi effettuare il login per inviare commenti