Jan 23, 2019 Last Updated 8:29 PM, Jan 22, 2019

O XIII Capítulo Geral: uma compreensão teológica-pastoral

Letto 134 volte
Vota questo articolo
(2 Voti)

“O capítulo geral indicou um novo modo de ser missionários: chegou o tempo de uma missão mais discreta, humilde, solidária, propositiva, alicerçada mais no “ser” que no “fazer”. Daquilo que estamos vivendo e partilhando, aparece sempre e cada vez mais evidente, que o tempo das obras, grandes e imponentes, já passou. Elas são difíceis de assumir, depois de nós, por parte da Igreja Local e além disso acabam por obscurecer as verdadeiras motivações da nossa presença. Parece-nos que está na hora de dar espaço a uma missão mais simples e mais espiritual, dependente do Espírito Santo, fundada sobretudo no testemunho” (cfr. Atos do XIII Capítulo Geral. p. 5)

O trecho acima citado, me parece ser o espírito e a carne de todos os desejos dos missionários capitulares e resume as proposições do XIII capítulo geral com seus desdobramentos posteriores, seja nas linhas guia da direção geral como também nos projetos continentais. Em todo acontecimento institucional, mormente naquele, como o Capítulo geral, destinados a marcar em profundidade a vida do Instituto, três elementos devem ser tomados em consideração: o evento em si, os documentos nele aprovados e finalmente a sua recepção.

No fundo, o capítulo foi uma grande ocasião para fazer um balanço sobre a vida e a situação do Instituto, verificar modo de ser missionários ad gentes, encontrar nova energia e apresentar uma forma diferente de viver e fazer missão. O evento em si, é de suma importância, com participação de 45 missionários: 21 africanos, 14 europeus e 8 latino americanos, representantes de 18 circunscrições. O próprio quadro dos capitulares, já reflete o carisma e a multiculturalidade da família IMC.

Portanto, o capitulo foi um momento de re-significar e atualizar o carisma. Essa busca de ardor novo tem sido traduzido em dois eixos: Revitalização e Reestruturação. Os dois eixos são duas faces da mesma medalha.

11 INMD 1 170522 XIII CG 0019

O que acontece e o mais decisivo é que para ser mudança e trazer essa mudança é absolutamente necessária uma ruptura, para não <<se acomodar a este mundo>> (cf. RM 12,2). Vale lembrar que, o decisivo na vida religiosa não é o que fazemos e organizamos, mas sim o que somos!

O aforismo popular nos lembra que: o que não se rompe, se integra. E o que se integra acaba por aceitar as regras do jogo da “ordem presente sem ardor”. Quero dizer, podemos conseguir montar instituições e obras eficazes para fazer o bem, quer às almas ad gentes, quer aos seres humanos em geral. Mas essa eficácia tem um preço muito alto. O preço consiste em que se torna praticamente impossível ser alternativa ao sistema, ao modelo de homem que impõe e exige este sistema de vida.

Pois bem, desde o momento em que não podemos oferecer uma alternativa ao sistema de valores que nos foi imposto, não temos outra saída senão ser reformistas. Mas é claro que nós não possuímos nem meios, nem capacidade para reformar e, nesse sentido, modificar o modelo de sociedade e de vida que nos impuseram.

E em grande medida, se fomos sinceros, percebemos que cada dia faz menos falta (principalmente nos países ditos avançados) o que de fato, fornecemos. Muitos religiosos ocupam lugar de suplência, cumprindo atividades (todas muito boas), que nos distanciam da irradiação testemunhal que o Carisma nos pede. Atuamos, sim, ainda hoje, como suplentes do Clero, e atuamos ainda hoje, sim, como suplentes do Estado. Essa postura não encanta! Serve-nos, como exemplo, o depoimento de uma juniorista que solicitava o indulto de secularização: “estou deixando a vida religiosa porque entrei para seguir Jesus, mas estou sendo pressionada a salvar uma obra”.

11 INMD 2 DSC 0053

Ao mesmo tempo não estamos em condições ainda de oferecer aquilo que hoje o mundo precisa: pessoas diferentes, isto é, pessoas que vivem valores alternativos e que pensam de modo diferente dos que se acomodam à forma de viver que nos impõem. Não se trata de viver diversamente. Nem de seguir regras religiosas, carisma e nossas caraterísticas. Nada disso.

O desafio da vida religiosa desde no início não está no compromisso dos votos, mas sim na integração no sistema de valores, de ideias e de sociedade que impera neste momento. Agora, como podemos fazer essa integração, essa fusão de horizontes no mundo atual? Lembrando que, o lugar da Igreja na sociedade atual já não é o da dominância (entre os protagonistas sociais), ainda não é o da clandestinidade, mas já é o da recessividade, no mundo do privado, do voluntariado ou do terceiro setor.

Que serviço e vida atraente e admirável que a vida religiosa tem que oferecer à sociedade atual? Que modelo e mediações da instituição vão facilitar o nosso ad gentes? Enquanto nós, religiosos, não alcançamos a coerência e a harmonia entre o que dizemos, o que fazemos e como vivemos, a crise atual da vida religiosa vai ter difícil solução[1]. Uma das dimensões problemática que teremos que superar urgentemente é sentimento de superioridade que impede um diálogo e convivência efetivo em relação aos leigos. Pois, a peste do clericalismo será superada com um laicato maduro e responsável. Um exemplo profético atual é vivência religiosa do Papa Francisco: tão real, sem ocultamento, simples e bela.

Resumindo: temos necessidade de uma espiritualidade profunda, mística à altura deste momento eclesial e geo-política social. Só o místico pode sobreviver na sociedade atual sem se tornar violento ou cínico. Só o místico pode conservar a integridade do seu ser, porque está em comunhão com toda a realidade. Isto, sem dúvida é o verdadeiro fruto do um Capítulo.

VOLTAR A GRANDE INTUIÇÃO ORIGINAL

O essencial de qualquer vida religiosa, creio eu, constitui-se em realizar um modo de ser alternativo. A única coisa que interessava ao nosso fundador, Beato José Allamano, sem dúvida era missão ad gentes e Deus a todo custo. Porém, o alicerce de toda missão para o fundador se centrava não no que tinha que fazer, mas no que tinha que ser. Tanto que sua vida se resumiu a formação e direção espiritual. A sua vivência natural causava alegria e admiração. No tocante a isto, eis o testemunho dado por um seu íntimo colaborador, o cônego José Capella: “Allamano sempre quis assumir pessoalmente a direção dos exercícios espirituais; e, enquanto os dirigia, também os fazia, dizendo: ‘Não quero ser apenas um canal, que dá aos outros, mas também um recipiente, para receber as graças do retiro’.

Pode-se dizer que, sob sua direção, a Casa de Santo Inácio tornou-se um centro de retiros de primeira qualidade. Tanto é verdade que nunca sobrava um quarto vazio” (Discípulos em Missão, p.15). Me parece essa maneira de ser, e não tanto o empenho por fazer coisas mais ou menos eficazes, é que introduziu um fator decisivo de mudança na cultura do Ocidente e na vida da Igreja.

Queria evangelizadores bem preparados[2], “santos em grau superlativo” zelosos, dispostos até mesmo a sacrificar a própria vida. Por isso seu lema se baseia no ser também: “Primeiro santos, depois missionários”, entendendo o termo “primeiro” não em sentido de tempo, mas como valor prioritário e absoluto. Tal proposta foi renovada, em Novo Millenio Ineunte, onde indica a santidade de vida, como a primeira prioridade pastoral no início do novo milênio: “Não hesito em dizer que o horizonte para que deve tender todo o dinamismo pastoral é a santidade”. “É hora de propor de novo a todos, com convicção, essa ‘medida alta’ da vida cristã ordinária: toda a vida da comunidade eclesial e das famílias cristãs deve apontar nessa direção (NMI, n. 30).

11 INMD 3 20170619 10 58 28 Pro

O nosso Instituto, cumprirá sua missão se vier a ser como o cacau, que cresce viçosamente á sombra de florestas: Pelo “valor” de seu testemunho de vida, a congregação pode vir a ser a grande “fortuna” do povo, especialmente dos mais pobres. Mas onde encontramos o critério que nos orienta no necessário discernimento? Estamos seguros de que abandonar as obras paroquiais significa superar a crise? Não, irmãos! Nosso lugar, como Missionários da Consolata não é lá onde moramos; nosso lugar é onde amamos, onde testemunhamos! Nosso compromisso primeiro consiste em manifestar - profeticamente - o Carisma que nos encante e identifica, o primeiro amor com o qual respondemos ao chamado.  

Portanto, o desafio maior é retornar ao carisma em todos os momentos. O carisma é, realmente, o nosso código genético que nos possibilita suscitar vida nova em cada época da história humana. O nosso carisma bem específico é para com os “areópagos” da missão ad gentes[3] (cfr. CG 33-36.80): não cristãos, ad extra, ad vitam e ad pauperes. Nestes âmbitos estão compreendidas outras dimensões, que tocam diretamente a nossa missão, como: o diálogo inter-religioso, a inculturação, os meios de comunicação social, os jovens, os imigrantes, a saúde, as periferias existenciais, a educação.

CAMINHO DE CONVERSÃO: IMPERATIVO OU MODISMO?

Conversão é uma realidade humano-cristã e fundamentalmente salvífica que expressa a dimensão dialogal entre o homem e o próprio Deus. Esse encontro é decisivo para a orientação da própria vida do ser humano atingindo o seu passado, presente e o futuro. O vocabulário bíblico da conversão apresenta dois termos: epistrephein e metanoien. Metanoia significa arrepender-se, sentir arrependimento, mudar de sentimento ou mentalidade a respeito de algo ou de alguma ação. No Novo Testamento, metanoia ganha uma dimensão mais profunda mostrando a ideia de voltar-se, converter-se, emendar-se, referindo-se não tanto à mudança prática e externa, mas quanto à mudança de pensamento e de querer.

Os grandes momentos de crise da Igreja e instituições foram superados exatamente pela renovação interior de sua hierarquia e membros[4]. Foi assim que chegamos ao Concílio Vaticano II, grande momento de primavera da Igreja, seguramente precedido pelo desejo de renovação e conversão. Renovação interior significa cuidar e valorizar o sentido da própria vocação. Ela se nutre de gratuidade, de motivação interior, da busca de algo mais dentro de nós. Realiza-se em situações difíceis, lá onde a profissão esgotou as possibilidades. Tem certo caráter de perenidade. Que voz (vocis) está na origem da sua vocação?

11 INMD 4 20170620 8294

Sem dúvida, a revitalização só é possível se cada um de nós sentir profundamente a urgência de mudar a si mesmo para poder mudar as comunidades e, consequentemente, o Instituto, de maneira a recuperar a fidelidade ao carisma, o amor e a qualificação da missão Ad Gentes. Só conseguiremos mudanças significativas se vierem de baixo (humus) para cima, dos empobrecidos, dos anawins da periferia. Essa também é a visão do Papa Francisco que pode ser sintetizada na sua própria lexicon-“magellan’s gaze”. Significa êxodo, movimento de sair do centro e distanciar-se dele, para descobrir novas coisas. Nessa perspectiva geopolítica, o centro é definido como periferias ad gentes. O missionário deve situar-se no extremo, na fronteira. Nesse sentido, o lugar do missionário/a deve ser enleado com os processos culturais, particularmente com as situações conflitivas dispensando á humanidade, sob a divisa do evangelho, soluções, alternativas, caminhos para melhor viver, constituindo-se um povo redimido, transformado.

Ora, a polarização e falta de paixão pela missão principalmente dentro da igreja e suas instituições é uma questão teológica e pastoral, mas também geopolítica. Vale repetir aqui o velho ditado de grande verdade: “a cabeça pensa a partir de onde os pés pisam”. Efetivamente, vem a pergunta sobre as nossas práticas, prioridades e até os lugares que habitamos, formamos e trabalhamos. Será que os mesmos refletem as nossas opções missionárias[5]? Estão em sintonia com o nosso carisma? O desafio maior que recai sobre os nossos ombros é transformar as estruturas, centro e toda organização em algo decididamente missionário.

São questões hermenêuticas, isso é compreende-se a realidade somente quando é abraçada com paixão, sentida na pele e se alimenta com mística profunda junto com o povo. A conversão “recíproca”, então significa enxergar a realidade (missão) não a partir do centro, mas da periferia ad gentes, com os índios, os quilombolas, os excluídos, os migrantes, os jovens. E “nova evangelização” que dá continuidade à “primeira evangelização”, deve libertar das amarras da colonização, através da, “evangelização inculturada” (cf. SD 13, SD capítulo 1).

O desafio do cristianismo hoje particularmente nos países ditos cristãos é justamente “recristianizar os cristãos”. Isso é recuperar a dimensão teologal da vida crista. A missão ad gentes hoje não pode mais ser caracterizada pela distância geográfica — bastante relativizada pelos atuais meios de comunicação. O que caracteriza a missão ad gentes hoje é a “distância religiosa”, assumida pelos próprios atores que rejeitam qualquer “vinculação” transcendental do mundo e da humanidade. Por isso é fundamental trabalhar e investir nos leigos (sobre o nosso carisma e espiritualidade allamaniana) que podem evangelizar em muitos âmbitos sociais. Por fim, o essencial de nossa vida/missionaridade é ser místico-profético. Esse deve ser o que motiva o aspecto mais profundo da vida do um missionário. Os missionários não se guiem por uma reflexão frigida, seca e protocolar sobre Deus. Antes deve pautar-se por uma inextrincável relação entre espiritualidade e pratica pastoral.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A existência da vida consagrada é mistério, é um dom do espirito de Deus e não resultado de um modelo organizativo que perdura, que é bem-sucedido ao longo dos séculos. Ela nasce do encontros e desencontros misteriosos com Deus na oração e na contemplação compassiva do nosso mundo. Ela se mantém graças a um processo permanente de fé. Parece que estas palavra do profeta Isaías são dirigidas a nós: “Quem não crê não sobrevive” (Is 7,9). Mesmo quando cremos que já temos uma resposta, um projeto capitular, ainda assim temos que assumi-la com humildade, com temor e tremor, conscientes de que o Espírito de Deus nos supera por todos os lados e sua ação nos é misteriosa.

Anos atrás, o teólogo Johann Baptist Metz reivindicava a necessidade de novas instituições- “instituições de segunda ordem” - nas quais se expressasse a liberdade crítica da fé. Os sistemas fechados criam instituições nas quase tudo está previsto, prevalece o pensamento único, não há espaços para a diferença, a multiculturalidade. Precisamos nós abrir mais para novas formas e criativos de evangelizar. A vida consagrada está descobrindo hoje uma espiritualidade adequada ao nosso tempo. Nela, são levados em conta o corporal e o anímico, o psicológico e o espiritual. A vida espiritual deve servir como a terapia regeneradora. Isso é gerenciar equilíbrio, mais energia e paixão pela missão.

Por fim, não sabemos como será a vida religiosa do futuro ou no que terão de trabalhar os religiosos/as para ganhar o pão no dia de amanhã, mas é garantido que a experiência carismática será a única capaz de dar sentido a essa forma de vida crista. A missão fundamental da vida religiosa não é fazer muitas coisas, mas dar testemunho dessa dimensão carismática, teologal, transcendente da vida humana, estejam seus membros onde estiverem e seja qual for a profissão que exerçam. Talvez, porém, sejam necessárias vocações distintas (verdadeiros mestres espirituais) e comunidades distintas (verdadeiras escolas de experiência de Deus e de fraternidade). Essa missão é essencial hoje em um mundo de bem-estar, onde é abundante o prazer e escasso o sentido, de muita política e pouca mística, de muita técnica e pouca ética, um mundo abundante em meios e escasso em fins.

 _____________________

[1] Uma vida coerente e transparente é indispensável. Às vezes, há uma tendência a “uma vida fragmentada” (uma vez cumprido meu dever como religioso, faço o que eu quero da minha vida), uma não clara identidade sexual e uma hesitação em assumir laços duradouros e comprometidos. O momento atual desafia muito o ministro ordenado. Conhecedor de dados da psicologia profunda, percebe pulsões inconscientes, não raro reprimidas por parte da instituição eclesiástica. Sente-se então infeliz e revoltado, sobretudo no que toca à sexualidade e à afetividade. Não consegue realizar as exigências de nova imagem de sacerdote que os tempos pedem. O mundo das relações com os fiéis enriqueceu-se, mas trouxe riscos e, não raro, turbulências afetivas. Como conjugar a transcendência própria do amor celibatário com a proximidade com os fiéis? Cabe-lhe distinguir relações humanas de amizade, de intimidade conjugal e de caráter pastoral. E aí situar-se sadiamente. Certas imposições eclesiásticas pesam-lhe afetivamente. O seu senso pessoal de dignidade e autonomia refuga tudo o que sugere mantê-lo em atitude infantil.

[2] Durante o processo de formação inicial, a nossa linguagem parece indicar que a formação intelectual, filosófico-teológica, é absolutamente dominante, enquanto a formação pastoral e, sobretudo, a formação humano-afetiva, comunitária e espiritual, são recessivas. Pois ao perguntar a um seminarista: Em que tempo de formação se encontra? Invariavelmente, ouvimos a resposta: Estou em tal ano de filosofia ou em tal ano de teologia. Isto é dominante, o restante é recessivo. Como nos desviar, no processo de formação inicial, de tal tendência? Por outro lado, os mais velhos, por ocasião de jubileus, ao recomendar bispos e padres, relacionamos ordinariamente seus empreendimentos ou suas obras. Ora, já dizia Segundo Galileia: “Dizer de um Padre ou de um Bispo que trabalha muito não se diz nada de importante”!

[3] A necessidade imperativo de inculturar o carisma. É necessário interpelar o carisma a partir das falas/crenças indígenas/afro/etnias/visão local questionadoras de herança coloniais/ideológicas que encobrem experiências de espiritualidade e que não são relacionadas com construções ocidentais. Relacionar-se ação evangelizadora, inculturação e as hermenêuticas que são construídas e desenvolvidas no contextos/tradições em diálogo com povos.

[4] Nós, missionários, somos o primeiro bem do Instituto. Muito bem, mas não pratica, ainda há fechamentos em nós mesmos e temos relações pouco significativas. Existem muitas desconfianças, superficialidade e não aceitação da correção fraterna. Há desintegração entre os missionários jovens e os mais velhos. Falta consciência de consagração, de colegialidade afetiva e efetiva.

[5] Muitas vezes, a formação e motivação religiosa é arcaica, ultrapassada, e facilita ao clericalismo e fechamento ao mundo real. Eis um enigma que precisa ser estudado de perto. Por exemplo, no segundo milênio entrou a concepção sacerdotal individualista. A imposição das mãos sai do contexto da Igreja local. Privatiza-se o ministério ordenado e valoriza-se o poder do indivíduo ordenado. Acentua-se o rito sacramental. A comunidade já não escolhe o ministro. Este se torna, sob certo aspecto, funcionário do poder. Possui autoridade por si mesmo, independentemente da comunidade. Estabelece relação direta com a realização dos sacramentos, máxime a da eucaristia, a ponto de sacerdotes celebrarem sozinhos. Na verdade, em certa forma, a ordenação separa o sacerdote do povo, enquanto no primeiro milênio o inseria nele. Reflete uma eclesiologia hierárquica vertical que é mais fruto do evento tridentino que do concilio Vat II.

Devi effettuare il login per inviare commenti

Recenti

Cooperazione e senso di responsabilità per fermare la tratta di persone

Cooperazione e senso di respon…

21 Gen 2019 Finestra sul Mondo

Papa a giovani indigeni: la vostra fede legata alla ricchezza delle vostre culture

Papa a giovani indigeni: la vo…

21 Gen 2019 Finestra sul Mondo

"Tutta la Chiesa, tutte le Chiese per tutto il mondo": verso il Mese Missionario Straordinario

"Tutta la Chiesa, tutte l…

21 Gen 2019 Missione Oggi

Adorazione Eucaristica: “Paolo sulla via di Damasco: un incontro che cambia la vita”

Adorazione Eucaristica: “Pao…

21 Gen 2019 Preghiere Missionarie

III Domenica - T. O. - Anno C

III Domenica - T. O. - Anno C

21 Gen 2019 Domenica Missionaria

[Video] Missão no Centro Morro, R. Serras TI Raposa Serra do Sol

[Video] Missão no Centro Morr…

17 Gen 2019 I Nostri Missionari Dicono

Ecumenismo: cercate di essere veramente giusti

Ecumenismo: cercate di essere …

17 Gen 2019 Finestra sul Mondo

Oltre 4mila cristiani uccisi in un anno, la Corea del Nord lo stato più persecutorio

Oltre 4mila cristiani uccisi i…

17 Gen 2019 Finestra sul Mondo

América: IMC en la dinámica de la Continentalidad

América: IMC en la dinámica …

16 Gen 2019 I Nostri Missionari Dicono

Catholic Relief Services: Immigration action must consider root causes

Catholic Relief Services: Immi…

14 Gen 2019 Finestra sul Mondo