Jun 25, 2017 Last Updated 8:35 PM, Jun 21, 2017

Simpósio Internacional de Missiologia reflete sobre a alegria do Evangelho

Letto 524 volte
Vota questo articolo
(0 Voti)

“O Evangelho da alegria impulsiona a missão”. Este é o tema do 2º Simpósio Internacional de Missiologia que acontece no Uruguai em preparação para o 5º Congresso Missionário Americano (CAM 5) a realizar-se na Bolívia em 2018.
A programação do Simpósio que iniciou no domingo, 28, inclui conferências, fóruns temáticos, debates e celebrações. As atividades se estendem até quarta-feira, 02 de março, e são realizadas no Colégio Marista São Luís, na cidade de Pando, a 100 quilômetros de Montevidéu. Participam cerca de 80 representantes das Pontifícias Obras Missionárias (POM), organismos e conferências episcopais de 22 países do Continente americano e convidados da Europa.
Na primeira conferência, padre Luca Pandolfi, professor de antropologia cultural e sociologia da religião na Universidade Urbaniana de Roma, discorreu sobre o significado do termo “alegria”. O professor lembrou que existem vários sentidos de alegria: popular, psicológico e antropológico, com suas diferentes formas de expressar e entender. Mas existe também um sentido teológico cristão, sobretudo “a alegria em Cristo Ressuscitado” como tempo propício para viver essa “grande alegria”.

Nesse sentido, padre Pandolfi citou o episódio dos discípulos de Emaús (Lc 24, 1-52) que haviam perdido a alegria e a reencontraram para depois partilhá-la. Eles souberam comunicar alegria e esperança aos outros discípulos.

Em seguida, o teólogo destacou, do capítulo 24 do Evangelho de Lucas, sete etapas da viagem até Emaús como um itinerário de pedagogia bíblica. Cada etapa mostra um estilo comunicativo e um estilo de linguagem.

Na primeira etapa é evidenciado o fazer-se próximo, da parte de Jesus. Como segunda etapa temos o “caminhar juntos”. Logo vem uma terceira, compostas por perguntas, olhares, silêncios, palavras e escuta. Neste momento, depois de haver escutado e seguido o caminho com os discípulos, Jesus toma a palavra. É a quarta etapa. “Anunciar a palavra de Deus significa, realizar o primeiro anúncio aos que não creem, como uma catequese, até fazer arder o coração”, sublinhou o teólogo.

Uma etapa posterior, a quinta, consiste na liberdade, “condição de possibilidade para a nossa fé no Senhor e para o testemunho do evangelizador, do missionário, da catequista: Jesus não se detêm, nem detêm os outros ou obriga. A decisão é por liberdade do interlocutor”, explicou.

A sexta etapa é a dos sinais: da partilha, do dom de si, do amor pelos amigos que fará abrir os olhos e reler toda a história. Finalmente, na sétima etapa, “a palavra regressa ao silêncio, à escuta (como no sábado hebraico), e ao mesmo tempo ressoa a confissão de fé no caminho, no anúncio alegre, na esperança reencontrada, na capacidade dos discípulos de fazer-se próximos, de partilhar e doar a vida. Eles regressam a Jerusalém, quer dizer à história com seus desafios e contradições, alegrias e esperanças”.

Em sua reflexão, padre Pandolfi que também dirige o Centro de Comunicações Sociais da Universidade Urbaniana, evidenciou detalhes sobre cada uma das etapas presentes na passagem dos discípulos de Emaús. Para isso, recorreu também à linguagem de comunicação e ciências sociais.

A alegria das bem-aventuranças
Uma segunda conferência versou sobre “a alegria das bem-aventuranças”, iluminada pelo texto de São Mateus (Mt 4, 25-5,12). O tema foi apresentado pelo biblista espanhol, padre José Cervantes, doutor em teologia e licenciado em Sagrada Escritura que há 18 anos trabalha na Bolívia e leciona também na Espanha.

Padre Cervantes se concentrou na palavra “alegria” que se repete na passagem. “Bem-aventurado é muito mais que felizes, do que ser alegre. Bem-aventurado expressa a profunda comoção e emoção de ânimo diante da percepção e acolhida do Reino de Deus revelado por Jesus Cristo que proclama o essencial do Evangelho por meio de felicitações tendo por destinatários os pobres, os indigentes, os desprezados”, explicou o conferencista.

Na opinião do padre Cervantes, a primeira parte do texto refere-se a uma categoria de pessoas que sofrem uma série de carências aos quais Jesus dirige sua palavra restauradora que lhes mostra o amor de Deus.

“A segunda parte das bem-aventuranças é um desenvolvimento que Mateus faz aos que prestam ajuda aos demais, aos que trabalham pela paz, aos puros de coração. As razões das bem-aventuranças é a presença de Deus em nossa vida, que dá pão a quem tem fome, consola os aflitos, concede a herança aos deserdados. E finalmente temos os perseguidos por serem fiéis a estas propostas de vida”, destacou o teólogo e prosseguiu. “O que desejo mostrar é que a grande alegria é um estado permanente daqueles que se encontraram com Jesus Cristo, inclusive nos sofrimentos. Assim, a alegria não é quando todos os problemas estão resolvidos, nem um estado além da morte. Na verdade, a bem-aventurança é um estado de alegria permanente, mesmo enfrentando adversidades. Bem-aventurados são aqueles que se encontraram com Jesus Cristo mesmo nas contradições deste mundo”, afirmou.

Por fim, o teólogo destacou a força profética das bem-aventuranças em sua capacidade de ir contra a corrente e mostrar que “a alegria não está aonde o mundo pensa que está. Que a alegria não é somente para nós, mas para todo o mundo. Que a alegria não é algo além do sofrimento deste mundo, mas sim uma experiência da gratuidade de Deus no tempo presente, também em meio ao sofrimento, como mostrado na Paixão de Cristo. Esta é a maior expressão de alegria onde Cristo mostra a capacidade de transformar por meio do amor. Por isso, a Paixão de Cristo é a maior fonte de alegria que se expressa na Ressurreição”.

Grupos e fóruns temáticos
Na parte da tarde os participantes do Simpósio se reuniram em grupos para aprofundar o conteúdo das conferências. Em seguida, trabalharam em seis fóruns temáticos: missão e ecologia; missão e família; missão e educação; missão e catequese; novas formas de cooperação missionária e tarefa das Pontifícias Obras Missionárias nas Igrejas locais.

O estudo têm a finalidade de fomentar reflexões sobre a missão nos diferentes contextos dos países do Continente.

Do Brasil participam do Simpósio, dom Waldemar Passini Dalbello e os padres Camilo Pauletti, Estêvão Raschietti, Jaime C. Patias e Sidinei Marco Dornelas.

A missa de encerramento nesta quarta-feira, 02, será no Santuário de Nossa Senhora dos Trinta e Três, padroeira do Uruguai.

Devi effettuare il login per inviare commenti

Recenti

Il ritorno della teologia nelle uni…

21 Giu 2017 Finestra sul Mondo

Lo stile di Moon sta conquistando t…

21 Giu 2017 Finestra sul Mondo

Marcel-Jacques Dubois e il dialogo …

18 Giu 2017 Finestra sul Mondo

Sant'Antonio e l'affinità con Franc…

18 Giu 2017 Finestra sul Mondo