Apr 24, 2018 Last Updated 2:18 PM, Apr 23, 2018

Vivendo o Jubileu dos 25 anos da criação da Diocese

Letto 164 volte
Vota questo articolo
(0 Voti)

Caríssimos Diocesanos,

muito temos que agradecer olhando para o passado: Milhares de pessoas, Padres, Religiosas e Religiosos, Catequistas e demais leigos comprometidos com a causa do Evangelho deram o melhor de si, trabalhando, física e espiritualmente. Anunciaram o Evangelho com o testemunho da própria vida,  com a transmissão da Palavra de Deus  na catequese, com a celebração dos Sacramentos,  a visita às famílias e, especialmente aos doentes, a educação das crianças e jovens, com as obras sociais e a agricultura nas aldeias onde habitava o povo.

Estudaram a línguas locais e traduziram a Bíblia, prepararam livros de catequese e de liturgia; e elaboraram subsídios para a formação dos agentes da Pastoral. Construíram igrejas, grandes complexos escolares e residências, hospitais e obras sociais. Ao mesmo tempo cuidaram pela pastoral vocacional com os frutos que hoje conhecemos de centenas de Padres, Religiosos e Religiosas originários destas terras que evangelizaram e leigos comprometidos na pastoral das comunidades. E abriram escolas de catequistas para a formação dos encarregados dos vários.

Este é o grande legado que recebemos dos nossos antepassados na evangelização das terras que hoje formam a nossa Igreja local, a Diocese de Gurúè. Toca a nós, ao olharmos para eles, inspirar-nos no seu testemunho, não para repetir o que eles fizeram, mas para continuar a obra iniciada, consolidá-la e torna-la viva e eficaz para os homens do nosso tempo.

Quatro Palavras com o seu conteúdo evangélico e humano  nos devem acompanhar neste ano de 2018 como sinais característicos deste Jubileu Diocesano:

1º.- LOUVOR à Santíssima Trindade, pois é no Deus Pai, Filho e Espírito Santo que tem origem toda a obra da nossa salvação. Como os pastores que louvaram a Deus pelo que haviam visto (Lc 2,20); como o povo que louvava a Deus que viu o milagre do cego (Lc 18,43) e como a multidão dos discípulos que louvava a Deus por todos os milagres que viram os milagres que Jesus realizou (Lc 19,37), também nós neste ano jubilar louvamos a Deus porque vimos como foi anunciada a Boa Notícia de Jesus, também nos vimos tantas obras extraordinárias realizadas na nossa dioceses durante este últimos 25 anos; louvamos a Deus porque também nós vimos quantas cegos recuperaram a vista e caminharam  com toda a claridade  no meio de  trevas do mundo. Uma nova luz apareceu na nossa vida. Deus iluminou a vida da nossa terra. Os anjos cataram os louvores de Deus (Lc 2,13).

A evangelização não é fruto de um projecto dos homens embora seja feita por homens. Ela tem origem em Deus e Ele é o seu protagonista. Os homens antes e gora hoje, somos apenas os enviados, isto é, seus colaboradores. Todos devemos louvar a Deus pelas maravilhas que Ele operou nestas terras da Zambézia (Ap 5,9).

A nossa atitude deve ser ao coxo de nascença que depois da  cura anda louvando a Deus. Nós, as nossas comunidades, os fiéis e os catecúmenos da nossas Paróquias, somos o coxo que, curado, seguimos o caminho de Jesus  louvando a Deus (Act 3,9) e nas nossas próprias línguas louvamos a grandeza de Deus (Act 10,46).

Louvamos a Deus porque por meio do Evangelho ele revelou também a nós, povo da Zambézia, os seus mistérios de salvação, fumos chamados a participar na mesma herança e a formar o mesmo corpo e a participar na mesma promessa (Ef  3,9) que prometeu nos tempos antigos (Ef 53, 5-6).

Ofereçamos, portanto, um sacrifício de louvor a Deus, o fruto dos nossos lábios (Hbr 13,15); e louvemo-Lo unidos a todos os fiéis e catecúmenos da Diocese, a todos os que o temem jovens e crianças, adultos e anciãos, e a todas pessoas de boa vontade (Ap 19,5).

2º AGRADECIMENTO a Deus e aos nossos antepassados na fé, homens e mulheres que formam “uma grande multidão de obreiros do Evangelho” por tudo o que eles fizeram apesar das limitações de toda espécie que encontraram e que eles próprios tiveram. Deus serviu-se deles tal como eles eram e sabiam fazer na construção desta grande obra da evangelização dos nossos Povos da Zambézia.

Agradecemos a Deus porque ouviu a voz do nosso povo aflito que aclamava por libertação, povo que na sua peregrinação encontrou força, perdoa e consolação, podo iluminado e perdoado pela luz e a misericórdia do Pai (Ex; Jo 11,41; Lc 15); Jo 11,41:”Pai, eu te dou graças porque me ouviste”. Demos todos graças a Deus e sintamo-nos animados na nossa fé (At 28,15).Demos graças a Deus nosso Pai bom e misericordioso porque na nossa terra foi anunciada a sua Palavra e muitos entre os seus filhos a acolheram e a puseram em prática. E não cessemos de dar graças a Deus por todos os nossos cristãos que com a sua vida souberam transmiti-la aos seus filhos e aos seus irmãos nas nossas comunidades. Demos graças, ao mesmo tempo, por todas as vezes que Deus nos deu a vitória sobre o mal (1 Cor 15,57).

3º CONVERSÃO dos que hoje recebemos tão precioso legado. Levamos em mãos frágeis um tesouro inestimável. Somos também nós, apóstolos deste tempo, homens e mulheres frágeis inclinados ao mal, necessitados constantemente da graça e da misericórdia de Deus para uma obra de tal envergadura.

Neste tempo de acção de graças devemos dar frutos de verdadeira penitência (Mt 3,8). Façamos, pois uma conversão realmente frutuosa e não comecemos a dizer que somos cristão e isto é suficiente! (Cf Lc 3,8). Convertamo-nos verdadeiramente ao Senhor (Act 11,21). Seguindo o exemplo dos primeiros cristãos também nós ao recebermos a fé dos nossos antepassados, convertamo-nos ao Senhor (Act 11,21).

4ºEVANGELIZAÇÃO  renovada e actualizada para o tempo e para os homens de hoje. Não podemos repetir o que os outros fizeram. A Igreja hoje exige de nós uma NOVA EVANGELIZAÇÃO, no testemunho, na oração, no sacrifício, na dedicação, nos métodos, na linguagem, na inculturação da fé e na resposta aos desafios da hora presente. Com este objectivo, a nossa Diocese deve estar em “estado permanente de missão” e, como repete o Papa Francisco, uma “Igreja em saída”, isto é, não ficarmos encerrados e fechados nas questões da vida interna das nossas comunidades e saibamos sair  ao encontro das pessoas, dos mais necessitados, dos marginalizados, dos que nunca ouviram a Boa Nova de Jesus.

O Evangelho deve ser anunciado ao pobres como acontecia nos tempos de Jesus nesta terra (Mt 11,5). E sobre tudo sermos fieis ao mandato de Jesus: Ide por tudo o mundo, ide e ensinai a todas as nações (Mt 28,19). E, pois, necessário que anunciemos o Evangelho às pessoas que ainda não ouviram a voz do Senhor, nas famílias, nas nossas aldeias, entre os nossos vizinhos e também entre os nossos parentes e familiares não baptizados ou não católicos ou entre aqueles que abandonaram as nossas comunidades. Esta é uma grande tarefa que exige muita dedicação e muita paciência. Temos que andar pelas nossas cidades e aldeias e anunciar a Boa Nova de Jesus (Lc 8,1).

FELIZ  2018, ANO JUBILAR DIOCESANO!

Vosso Bispo

+ Francisco

"Para consolar a todos los que lloran" Is 61,2.

Devi effettuare il login per inviare commenti

Recenti

Conferência Regional dos Missionári…

23 Apr 2018 I Nostri Missionari Dicono

Un esercito di 45mila suore a servi…

22 Apr 2018 Finestra sul Mondo

Onu: presentato il Piano d’azione p…

22 Apr 2018 Finestra sul Mondo

Preghiera a San Fedele da Sigmaring…

22 Apr 2018 Preghiere Missionarie

V Domenica di Pasqua - Anno B

22 Apr 2018 Domenica Missionaria

I laici consacrati: vocazione, miss…

18 Apr 2018 Finestra sul Mondo

"Dialogo, rispetto e libertà d…

18 Apr 2018 Finestra sul Mondo

Amazonia: nuovi cammini per la Chie…

18 Apr 2018 I Nostri Missionari Dicono

Associazione Padre Bruno Del Piero:…

16 Apr 2018 I Nostri Missionari Dicono